Modelo Conceptual

10 de Fevereiro de 2010 / 3 Comentários Bookmark and Share

O Modelo Conceptual pretende fornecer uma descrição de alto-nível para a organização dos objectivos do Plano Nacional de Saúde (PNS) 2011-2016, sustentando a visão para a obtenção de ganhos em saúde:

Maximizar os ganhos em saúde da população através do alinhamento e integração de esforços sustentados de todos os sectores da sociedade, com foco no acesso, qualidade, políticas saudáveis e cidadania.

Com base no modelo conceptual proposto, pretende-se que:

  1. Todos os actores envolvidos directa ou indirectamente na obtenção de ganhos em saúde, se revejam e se considerem agentes na obtenção desses ganhos, pois todos podem definir compromissos e contributos enquadrados neste modelo conceptual; São actores os decisores institucionais, profissionais da saúde e os cidadãos;
  2. As instituições, quer sectoriais, quer no âmbito dos níveis nacional, regional e local de planeamento e prestação de serviços, se reconheçam, colaborem e participem na obtenção de ganhos em saúde, alinhando objectivos, estratégias, acções e recursos em torno da identificação de contribuições dentro dos eixos propostos;
  3. As análises, recomendações, metas e processos de acompanhamento se organizem em torno de objectivos transversais, integradores e qualificadores, capazes de orientar políticas sectoriais e intersectoriais a diferentes níveis (nacional, regional, local, institucional) bem como intervenções de impacto mensurável e ganhos em saúde correspondentes.

4 pilares

Os eixos de definição do modelo conceptual são:

  • Cidadania (pilar)
  • Acesso (pilar)
  • Políticas Públicas Saudáveis (pilar)
  • Qualidade (pilar)
  • Saúde Sustentável (transversal)

Comentar Envie a um amigo Subscrever Imprimir Voltar ao Topo

3 comentários sobre “Modelo Conceptual

Comentar ou contacte-nos via Twitter @pns

  1. Centrado no cidadão mas de modo imperfeito e que começa na óptica legal. A carta dos direitos e deveres dos utentes, é acima de tudo um manancial de direitos que, não raras vezes, serve para sustentar através do Livro Amarelo e Gabinetes do Utente com suporte no sistema informático SGSR/Sim Cidadão (recentemente ajustado) procedimentos borocráticos com efeito “gasosa” que envolvem demasiados Profissionais ou em reclamações de impulso. Em sentido inverso, comparativamente os deveres a grosso modo, representam um terço dos direitos.
    … Mais cidadania? Sim. Mais acessibilidade às consultas e tratamentos? Sim. Diminuição das listas de espera para Consultas Ambulatórias e Cirurgias? Sim. Combate ao desperdicio? Claro que sim. No entanto, todos sabemos que a desvirtuação do SNS estará há muito em marcha se não vejamos; fecho “à força” e desmusurado de urgências hospitalares sempre e só com justificações economicistas e em contrapartida, criação célere de muitas U S F/s através de contratualização por objectivos com o SNS e permitindo assim a constituição de espaços previligiados de saúde de modo autónomo, com a escolha a belo prazer de Profissionais das várias áreas que mais não fazem do que actividades assistenciais e com recompensas chorudas pelo cumprimento desses objectivos mesmo em tempo de crise e continuando a usufruir do trabalho e recursos residentes dos Centros de Saúde, e melhorados à custa também em larga escala do trabalho e esforço dos restantes profissionais que garantem os serviços de rectaguarda, não “convidados” a integrar as ditas USF/s ou seja; é assim como que uns grupos de Profissionais da Saúde a quem é possibilitado o previlégio de serem como que empresários ou semi empresários cuja qualificação não se põe em causa mas que partem com a vantagem de ter já o caminho quase todo desbravado, pois servem-se dos recursos técnicos e humanos do Estado.
    Numa óptica de eventual privatização a curto/médio prazo destas Unidades Funcionais de Saúde…está bom de perceber, certo? Temos então no nosso SNS quem trabalha e é devidamente recompensado e reconhecido e utentes preveligiados se pertencerem aos ficheiros dos Médicos das USF/s … como é o meu caso, por acaso. Assim, não, ou todos como estavam as coisas, mas melhor seria nivelar por cima. Então, serviço mais personalizado e autónomo para todos. Não estou seguro que a constituição a decorrer das UCSP/S, possa modificar este contraste na Saúde e entre Profissionais/Utentes de 1ª e de 2ª. E já agora, tanbém não se me afigura que esta realidade contribua para o equilibrio que deveria existir do principio mais humanismo na Saúde até porque… o “Rei parece ir nu”, com enorme falta de recursos humanos apesar de que os Médicos vão poder regressar ao serviço após as próximas aposentações por antecipação autorizadas, através de contratos específicos usufruindo dos direitos que detinham antes no activo. Assim, sim … é um SNS com equidade, …certo? É o que ainda temos.

  2. Parecem-me interessantes os eixos definidos neste modelo no entanto sugeria a introdução do foco no cliente e na multidisciplinaridade. Os nossos serviços de saúde continuam na sua maioria focalizados na organização dos recursos disponíveis nas várias áreas e não nas necessidades da nossa população, também todos os actos praticados continuam a centrar-se no acto médico o que como todos vemos não nos tem trazido beneficios assim tão notórios ao longo destes 30 Anos, e se a doença continua a ser a principal razão da existência do SNS continuaremos a gastar milhoões de euros em políticas que já estão ultrapassadas à muito tempo e deixamos ao acaso a saúde cujos ganhos só são mensuráveis quando se lhe dá importância.

    • Esclarecemos que no centro do modelo conceptual e seus eixos pilares e transversais está o indivíduo, todo este processo é centrado no cidadão articulado com as diferentes áreas intervenientes, em prol da obtenção de ganhos em saúde.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*