Opinião: Educação para a Saúde na Escola

24 de Janeiro de 2011 / 1 Comentário Bookmark and Share

Contributo enviado por José Alberto Gomes Precioso, Universidade do Minho, 20/01/2011

Univ MinhoPelos motivos que apresentarei a seguir, acho que o Plano Nacional de Saúde devia ter um capítulo dedicado à Saúde Escolar. Enviamos em tempo oportuno um parecer sobre a necessidade de reorganizar a Educação para a Saúde na Escola. (“A Necessidade de Revitalizar e Reorganizar a Saúde Escolar“)

Aceita-se hoje que o campo de acção da Educação para a Saúde é toda a comunidade. Qualquer pessoa, seja qual for a sua idade, sexo e condição económica, deve beneficiar da Educação Sanitária. No entanto é, primordialmente junto dos alunos, que esta acção se deve fazer sentir.

A implementação da Educação para a Saúde na escola é especialmente defendida pelos seguintes motivos:

  • Em primeiro lugar pelo facto dos resultados da investigação sobre a saúde dos adolescentes, realizados na década de 1991-2000, permitirem concluir que: 1) as ameaças à saúde desses grupos etários, advêm sobretudo da sua conduta; 2) elevadas percentagens de adolescentes praticam e adoptam comportamentos potencialmente prejudiciais para a sua saúde; 3) as crianças e os adolescentes de hoje, praticam e adoptam comportamentos de risco em idades mais precoces do que as passadas gerações de adolescentes; 4) muitos adolescentes praticam simultaneamente, vários comportamentos de risco (aquilo que se chama uma constelação de factores de risco); 5) a maioria dos jovens incorre em algum tipo de comportamento que ameaça a sua saúde e bem estar (Elster e Kuznets, 1995; López e Costa, 1996); 6) a maioria senão a totalidade desses comportamentos pode ser evitada.
  • Em segundo lugar, pelo facto de todas as crianças de um país passarem pelo sistema de ensino. Dificilmente algum programa de Educação para a Saúde implementado noutro local, atinge tanta gente, como os programas de Educação para a Saúde aplicados na escola (Sanmarti, 1988; Pardal, 1990; Nebot, 1999).
  • Em terceiro lugar, porque os resultados de numerosas investigações mostram claramente que as raízes do nosso comportamento (o nosso modo de vida) no plano sanitário (e não só) se situam na infância e adolescência (Sanmarti, 1988; Lima, 1995).
  • Em quarto lugar, porque ao fazer Educação para a Saúde na escola estamos a atingir indivíduos em fase de formação física, mental e social que ainda não tiveram, muitas vezes, oportunidade de adquirir hábitos insanos e que são muito mais receptivos à aprendizagem de hábitos e assimilação de conhecimentos (Sanmarti, 1988).
  • Em quinto e último lugar, conta com a colaboração de profissionais valiosos que sabem educar (Nebot, 1999).

Através dos programas de Educação para a Saúde deve-se preparar o aluno para cuidar de si no que diz respeito a normas de higiene pessoal e ambiental, regras de segurança doméstica, de lazer, etc. Deve-se ainda preparar os alunos para que, ao deixar a escola, seja capaz de cuidar da sua própria saúde e da dos seus semelhantes e sobretudo, adoptar um estilo de vida que comporte o objectivo do que hoje em dia chamamos de saúde positiva e que não é senão, o desenvolvimento de todas as suas possibilidades físicas.

José Alberto Gomes Precioso, Universidade do Minho

Um comentário sobre “Opinião: Educação para a Saúde na Escola

Comentar ou contacte-nos via Twitter @pns

  1. Como é evidente, tudo o que seja “educar” deve ser bem feito, e desde tenra idade.

    Logo Educar para a Saúde, na Escola é necessario, como é para a sexualidade assumida, para os bons principios, para os valores, para as regras (muitas a terem que ser reinventadas..por terem desaparecido).

    Não sendo fácil, hoje, conseguir nas Escolas tudo o atrás mencionado, implementar, todos o sabemos, talvez seja exequível ser bem conhecido – o PNS – nos Centros de Saúde, nos Hospitais, nas Associaçoes de vária indole.

    E, aqui vem a tal necessidade dos meios de comunicação social, ” o comunicarem”,e talvez seja a unica forma de todos o conhecerem, de todos saberem regras básicas de saúde, para si, para seus familiares.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*