Opinião: 6 Estratégias de Acção que Promovem Ganhos em Saúde

4 de Junho de 2010 / Sem Comentários Bookmark and Share

Contributo enviado por Ester Moutinho de Freitas, na qualidade de Médica e de Cidadã, 12/05/2010

opiniaoAnexo a minha visão das medidas que devemos implementar e são elas globais e locais, legislativas e outras, para que de um modo holístico se obtenha mais ganhos em saúde com os mesmos recursos.

Contributos para o Plano Nacional de Saúde 2011-2016

1. Incentivando as possibilidades de voluntariado e de mecenato a todos os níveis (legislativamente/instituição a instituição, etc)

(por ex. eu costumo deixar as revistas que compro depois de lidas nas salas de espera dos hospitais em vez de as deitar fora. Ajudam a ocupar o tempo dos doentes – este tipo de donativos devia ser incentivado

2. Limitando o consumo de tóxicos causadores de doença: Aumentar significativamente o preço do tabaco, como meio de diminuir o seu consumo e assim reduzir o seu impacto clínico Aumentar significativamente o preço do álcool, com o mesmo objectivo Proibir a venda de álcool e tabaco nas escolas Impedir entrada em locais onde há venda de álcool a menores de 18 anos, aumentando significativamente as coimas para o estabelecimento e utente

3. Aumentando a informação à população, através de campanhas televisivas e outdoors, fortes, chocantes sobre: Cirrose alcoólica Tabaco – cancro do pulmão Obesidade – hipertensão arterial e Acidente Vascular Cerebral / aumento do ácido úrico (gota) / aterosclerose / aparecimento de certos tipos de cancro / doença osteoarticular / depressão …etc

4. Diminuir o suporte exagerado do estado sob a despesa: Aumentar as taxas moderadoras do acesso aos hospitais / criar escalões para que as pessoas de maiores rendimentos paguem mais que as de menos. Diminuição da comparticipação a 100% dos medicamentos Restringir o pedido de exames complementares subsidiados a um tipo de exame por pessoa/de 2 em 2 anos a não ser que haja justificação clínica. Por ex. em Inglaterra só se pode fazer uma mamografia de 5/5 anos num determinado grupo etário. Se se quiser fazer mais terá que se pagar.

(O objectivo destas 3 medidas é canalizar verbas para acções mais proveitosas. Tudo o que é de graça ou muito próximo, é percepcionado como pouco valioso e por outro lado incentiva ao consumo não criterioso e ao aumento da despesa. Também me parece que possa incentivar à fraude (aumento da pressão sobre os prescritores para prescreverem medicamentos para o agregado em nome do beneficiário que tiver maior desconto), com inerente aumento da despesa).

5. Criar um sistema de incentivos ao doente

Criar prémios para os doentes que conseguissem controlar/resolver os seus problemas (ex. obeso que deixe de ser e penalizações para os abusadores.

6. Diminuir a dor desnecessária e o sofrimento físico e psicológico dos doentes com cancro em serviços de oncologia

(Esta dor e sofrimento psicológico acarreta custos no tratamento da depressão e da não adesão da terapêutica. Algumas medidas a ser implementadas poderiam ser: Aplicação de analgésico tópico e vasodilatação pelo calor (em Inglaterra aplica-se uma manta térmica pequena sobre a área a puncionar durante 5 minutos antes da punção) aumentando a sua efectividade e diminuindo o sofrimento de múltiplas punções. Criar uma rádio local no hospital (voluntariado) Respeitar o horário das consultas (não deixar doentes à espera) Apesar de transmitir a verdade, transmitir uma verdade positiva e dar sempre uma esperança (não dizer “tem 2 meses de vida”, mas sim por exemplo “a sua situação não é fácil, mas vamos fazer tudo o que pudermos para o melhorar, agora é uma situação de risco e deve tratar dos seus assuntos pessoais com brevidade pois nestas coisas nunca se sabe”). Visitas de representante da igreja a título ofertativo e não impositivo e alargadas às várias crenças religiosas e não apenas à religião católica.

Ester Moutinho de Freitas (na qualidade de Médica e de Cidadã)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*