Opinião: Fisioterapia na Comunidade

16 de Abril de 2010 / 1 Comentário Bookmark and Share

Contributo enviado por Manuela Baeta, 08/03/2010

Fisioterapia na comunidadeApresento aqui uma breve resenha do que se faz, na Fisioterapia na Comunidade, para que não se perca a informação já que a nossa actividade não tem sido visível em indicadores nacionais.

A Vós vos deixo a conclusão.

Agradeço que  façam a recolha do contributo dos fisioterapeutas que trabalham nos Agrupamentos de Centros de Saúde e Centros de Saúde de todo o país, de modo a estimular mais recursos humanos nestas áreas que já são muitas.

Dou alguns exemplos :

  • Participamos nas equipas como a de Cuidados Continuados – recepção em casa de altas de acidente vascular cerebral, e fracturas de colo do fémur, assistência de patologias neuromusculares, respiratórias, etc…
  • Desenvolvemos actividades conjuntas com outros técnicos (Higienista oral, Psicologia e Enfermagem) na Preparação para o Nascimento- activando e demonstrando vantagens dum parto participativo, treinando técnicas de relaxamento de esforço;
  • Recepção ao recém nascido, resolvendo ou referenciando à Intervenção precoce, participando nela;
  • Na Saúde Escolar, Rastreio de atitude escoliótica em adolescentes, com o seguimento e acessibilidade garantida.
  • Na Saúde Ocupacional, fazendo prevenção e tratamento de Cervico-braquialgias, lombalgias, contracturas várias, tendinites devidas ao trabalho, acompanhamento com ortóteses se necessário.
  • Salas de Movimento e Bem Estar em conjunto com Psicólogas numa dinâmica despertadora de actividade nos mais de 55 anos(temos muitos de 80) com treino de protecção em simulação de quedas e redução da necessidade de ansiolíticos.

Manuela Baeta (Fisioterapeuta ACES V)

Um comentário sobre “Opinião: Fisioterapia na Comunidade

Comentar ou contacte-nos via Twitter @pns

  1. Além do que a colega falou, por exemplo, na saúde escolar, ainda podem ser abordados os seguintes temas: posturas correctas (higiene postural) na sala de aulas, transporte e peso das mochilas, adaptação do mobiliário escolar, sensibilização dos professores para a escolha de livros e materiais escolares mais leves, promoção da actividade física, etc.
    Bancos de ajudas técnicas poderiam ser formados em todos os Agrupamentos de Centros de Saúde, de empréstimo temporário, para situações temporárias, em que a necessidade das mesmas ajudas técnicas varia rapidamente no tempo. Este permitiria a adaptação dos utentes, evitando gastos desnecessários com ajudas que rapidamente deixam de ser utilizadas. Também seria mais fácil gerir o material existente, atribuindo a ajuda certa para determinada pessoa.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*