Opinião: Indicadores Sensíveis aos Cuidados de Enfermagem

22 de Julho de 2010 / Sem Comentários Bookmark and Share

Contributo enviado por Clarisse Maio Milhazes Martins, Centro Hospitalar Póvoa de Varzim – Vila do Conde, 08/06/2010

OpiniaoOs resultados das instituições, na obtenção de ganhos em saúde, podem ser percebidos, medidos e valorizados, entre outros, através do desenvolvimento de indicadores que permitam avaliar a qualidade dos cuidados prestados.

Assim, propomos a inclusão no Plano Nacional da Saúde (PNS) da monitorização dos ganhos em saúde sensíveis aos cuidados de enfermagem, tal como hoje já se faz, de uma forma sistemática neste Centro Hospitalar, recorrendo aos seguintes indicadores (de entre aqueles que foram propostos pela Ordem dos Enfermeiros e que se obtêm a partir do Sistema de Informação de Enfermagem utilizado para documentar os cuidados prestados):

  1. Taxa de efectividade diagnostica do risco, nomeadamente, de Aspiração, de Maceração, de Úlcera de pressão, de Queda, de Desidratação, de Obstipação e de Anquilose.
  2. Taxa de efectividade na prevenção de complicações, nomeadamente, de Aspiração, de Maceração, de Úlcera de pressão, de Queda, de Desidratação, de Obstipação e de Anquilose.
  3. Taxas de resolução ou de melhoria de status respeitantes aos Ganhos em conhecimento e à Aprendizagem de capacidades, quer da pessoa quer do prestador de cuidados, para lidarem com os processos de vida e as situações de crise e melhor se adaptarem a estas, especificamente: em todos os Autocuidados (higiene, alimentar-se, posicionar-se, transferir-se, deambular, vestuário, sanitário…), na Queda, na Maceração, na Úlcera de pressão, no Amamentar, no Papel parental, no Auto controlo dor de trabalho de parto, na Gestão do regime terapêutico, no Expectorar, na Aspiração, na Desidratação e na Anquilose.
  4. Taxas de resolução ou de melhoria de status respeitantes aos Ganhos em independência nos Autocuidados (higiene, alimentar-se, posicionar-se, transferir-se, deambular, vestuário, sanitário…).
  5. Taxas de incidência e de prevalência dos aspectos de saúde referidos nos números anteriores.

Anexa-se, a título de exemplo, o Portal do CHPVVC, onde podem ser consultados e acompanhados em tempo real os indicadores referidos, o que permite, pela sua avaliação, introduzir as melhorias necssárias à obtenção de mais e melhores ganhos em saúde.

Estes indicadores podem, assim, ser utilizados em todas as instituições para integrarem os respectivos sistemas de melhoria contínua da qualidade.

Documento de apoio:

Portal-indicadores-de-enfermagem

Clarisse Maio Milhazes Martins

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*