Eixo Estratégico: Qualidade em Saúde

8 de Fevereiro de 2011 / 1 Comentário Bookmark and Share

pnsA primeira versão do Plano Nacional de Saúde (PNS) 2011-2016 está em discussão pública.

Neste artigo poderá visualizar e comentar um dos capítulos das Estratégias para a Saúde (consultar Índice PNS 2011-2016) referente ao Eixo Extratégico: Qualidade em Saúde.

Está dividido em 6 sub-capítulos: Princípios; Situação Actual; Orientações e Evidência; Visão para 2016; Quadro Sinóptico das Acções e Recomendações; e Acções e Recomendações.

O seu contributo

Esta discussão proporcionará maior acordo entre evidência e o planeamento estratégico institucional, que resultará num produto fruto de um processo construtivo e participado.

Este capítulo está em consulta e discussão e, no sentido de enriquecer o seu conteúdo, solicitamos o seu contributo utilizando para esse efeito a área específica de comentários de cada artigo.

Visualize o capítulo:

Um comentário sobre “Eixo Estratégico: Qualidade em Saúde

Comentar ou contacte-nos via Twitter @pns

  1. Documento do maior interesse pelo facto de abordar um aspecto crítico do sistema de saúde: a qualidade dos cuidados.
    A definição de qualidade em saúde apresentada enfoca no desempenho/processo (equidade, acessibilidade, adesão) ao invés do desfecho pretendido.
    Considero mais consensual a definição do Institute of Medicine (2001) que define a qualidade em saúde (“quality of care”) como o grau em que os cuidados prestados (de âmbito individual ou populacional) aumentam a probabilidade de um desfecho favorável e são consistentes com o conhecimento e práticas profissionais mais recentes. Desta forma se garante, à partida, a causalidade entre a intervenção e o desfecho.
    A satisfação do utente/doente é, igualmente, valorada na definição e conceito da qualidade em saúde. No entanto, trata-se de uma “qualidade percepcionada”, a integrar na avaliação global dos cuidados prestados com a devida cautela.
    Muitos dos tópicos constantes desta análise especializada constam de um artigo que publiquei na Revista Portuguesa de Saúde Pública em 2010 (Janeiro-Junho) e que se encontra disponível on line.
    http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rpsp/v28n1/v28n1a09.pdf

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*